Avançar para o conteúdo principal

KARL POPPER - BUSCA INACABADA - AUTOBIOGRAFIA INTELECTUAL

Tendo assistido a duas Guerras Mundiais e ao colapso do comunismo para lá da cortina de ferro, Popper oferece-nos neste livro um relato inultrapassável dos acontecimentos e das ideias que ao longo de décadas mais o influenciaram. Em particular, somos convidados a acompanhar o despertar do seu fascínio pela ciência e pela filosofia.
Dos aspectos da sua vida raramente discutidos noutro lugar ao seu gosto pela música; dos sentimentos desencontrados acerca dos seus antecedentes judaicos ao debate que travou com Wittgenstein e ao incidente, agora lendário, «do atiçador»; do seu relacionamento com um leque notável de figuras ímpares - Heisenberg, Schrodinger, Einstein, Russell... - às reacções por vezes violentas, que as suas teses maiores acabariam por suscitar; eis alguns dos caminhos abertos por esta autobiografia.
Todavia, é como introdução à filosofia popperiana que Busca Inacabada refulge. Graças a uma exposição clara e sucinta das suas ideias centrais, este volume proporciona a leitura ideal para alguém que pela primeira vez aborde a vida e obra de Popper.

esfera do caos - 1ª edição fevereiro de 2008


  

Comentários

Mensagens populares deste blogue

RONDO CAMERON - HISTÓRIA ECONÓMICA DO MUNDO

RONDO CAMERON - HISTÓRIA ECONÓMICA DO MUNDO A CONCISE ECONOMIC HISTORY OF THE WORLD : FROM PALEOLITHIC TIMES TO THE PRESENT A História do Mundo é tradicionalmente analisada de um ponto de vista meramente institucional e político, o que resulta numa visão empobrecedora e parcial da evolução humana. Bem pelo contrário, a presente História Económica do Mundo complementa tal análise com abundantes dados sociais, económicos e demográficos, resultando numa obra de referência, enriquecedora e documentada. A linguagem acessível e os numerosos esquemas e mapas facilitam ainda mais a sua consulta e manuseamento. Este monumental trabalho de Rondo Cameron constitui, pois, a súmula ideal de evolução da relação da Humanidade, através dos tempos, com as matérias-primas, as tecnologias, o imperalismo económico de regiões e a mundialização das economias.    publicações europa-américa - fevereiro de 2000. 

SIMONE DE BEAUVOIR - O SANGUE DOS OUTROS

" Contar as vidas humanas, comparar o peso de uma lágrima com o peso de uma gota de sangue, era uma tarefa impossível, mas ele já não tinha que fazer contas, e toda a moeda era boa, mesmo essa: o sangue dos outros. O preço nunca seria caro de mais." Com a Segunda Guerra Mundial como pano de fundo, O Sangue dos Outros narra-nos a história de amor entre Hélène e Jean. No entanto, a frase de Dostoievski que inuagura o romance, "Todos somos responsáveis por tudo perante todos", já nos anuncia aquele que será o eixo temático da narração: a responsabilidade do indivíduo na sociedade em que vive, as implicações do compromisso ideológico, o preço a pagar pela liberdade, o papel dos líderes políticos... Todas estas linhas temáticas têm como pano de fundo as questões filosóficas colocadas pelo movimento existencialista, do qual Simone de Beauvoir, com Jean-Paul Sartre e Albert Camus, foi uma das impulsionadoras. Embora este romance, assim como outros da autor

ALEXANDRE ADLER - O RELATÓRIO DA CIA

ALEXANDRE ADLER - O RELATÓRIO DA CIA - COMO SERÁ O MUNDO EM 2020? LE RAPPORT DE LA CIA - COMMENT SERA LE MONDE EN 2020? O terrorismo ampliar-se-á? O poderio mundial deslocar-se-á para a Ásia?  Assistiremos ao fim da hegemonia americana? «É melhor não acreditar plenamente em Michael Moore quando afirma que a actual classe dirigente dos EUA não passa de um grupo de burros analfabetos incapazes de entenderem as complexidades do mundo... Para tanto basta ler este relatório produzido pelo National Intelligence Council para a CIA. Um texto bem articulado e subtil que propõe um exame profundo às grandes tendências do mundo de amanhã. Em todos os domínios - político, económico, ambiental, religioso... - é uma reflexão apaixonante sobre as forças dominantes e os perigos que nos rodeiam, sugerindo-nos, ao mesmo tempo, um conjunto bem preciso de indicações que deverão guiar a política dos EUA nos próximos anos. Devemos pois ler sem paixão nem preconceitos esta "cartografi

ARNOLD HAUSER - HISTÓRIA SOCIAL DA ARTE E DA LITERATURA

"Uma obra marcante, cuja riqueza quantitativa e qualitativa pode ser apenas sugerida em uma resenha. O contexto temporal é extraordinariamente amplo... O valor da obra consiste principalmente no fato de que Hauser, fundamentando em um conhecimento preciso de fontes e literatura especializada, reúne resultados excepcionalmente claros da sociologia da arte, da música e da literatura. Com isso, ao lado de uma riqueza de investigação sociológica não específica, são avaliadas as importantes escolas da sociologia burguesa europeia e americana, de Taine , Max Weber , Dilthey , Troeltseh, Simmel, Sombart, Veblen até Karl Mannheim, Levin Schueking e outros críticos. Hauser, além desses pesquisadores burgueses, examina também Marx, Engels, Mehring, Kautsky, Lenin e Georg Lukács e une as descobertas destes às suas próprias observações, dando mostras, assim, de sua imparcialidade. ... Deve-se desejar que sociólogos, assim como historiadores de todas as tendências, estudem cuidadosamente

ANDRÉ SCHWARZ-BART - O ÚLTIMO JUSTO

ANDRÉ SCHWARZ-BART - O ÚLTIMO JUSTO LE DERNIER DES JUSTES A publicação do romance O Último Justo deu lugar à atribuição do Prémio Goncourt, o mais alto e disputado galardão literário da França, a um jovem de trinta e um anos, de família judaica, de formação operária, que antes de ter sido estudante na Soubonne fora ajustador. André Schwarz-Bart nasceu em Metz, em 1928. Entrou na Resistência e em 1943 foi preso.  Evadiu-se e integrou-se num maquis. Alistou-se depois no exército e participou na campanha de 1944-45. Pertence a uma família judaica de origem polaca, o que explica a vocação profunda, a angústia dilacerante, a dramática perplexidade que o romance O Último Justo se nos patenteia. Livro estranho - entre a crónica e a epopeia; livro perturbador - entre a ficção e o panfleto, livro gritante de revolta e pleno de um sentimento íntimo e invencível de religiosidade.   publicações europa-américa - abril de 1961