Avançar para o conteúdo principal

JOSEPH CONRAD - A LINHA DE SOMBRA

JOSEPH CONRAD - A LINHA DE SOMBRA
THE SHADOW LINE


"A Linha de Sombra", o título da última obra-prima de Joseph Conrad, datada de 1917, é aquele limite - tão indefinível e incompreensível, como inquietante e doloroso - que, num certo momento da vida, se desenha, de alguma maneira, para marcar irrevogavelmente o fim da juventude. Para o protagonista deste intenso romance, a manifestação dessa fronteira coincide com uma experiência excepcional e dramática: oficial da marinha mercante na sua primeira comissão, depara-se no seu navio à vela com uma interminável calmaria no clima insalubre dos mares do sudoeste asiático, enquanto vê a sua tripulação ser dizimada por uma violenta epidemia de febre tropical.
A imobilidade cada vez mais ameaçadora e sinistra do navio contrapõe-se a intensificação, nos homens que o deveriam governar, de uma angústia e de um medo que de sub-reptícios passam gradualmente a espasmódicos, deixando o comandante na desolada solidão da sua responsabilidade e da sua impotência.
Nos vinte dias de calmaria, metáfora extrema de um tempo e de um espaço terrivelmente concentrados, ele parecerá atravessar todas as fases de uma existência, descobrindo a maravilha no terror, ou na ânsia irremediável nos sobressaltos de alegria ou ainda a sensação de subtil derrota que se aninha num acontecimento liberatório. E quando dele sair, mostrará, de algum modo, o traço indelével de uma ferida da alma, no fundo da qual encontrará confusa e corajosamente a consciência definitiva da condição humana. 
            

colecção mil folhas - abril 2003

Comentários

Popular semana

NASSIM NICHOLAS TALEB - O CISNE NEGRO

MATTHEW PEARL - O CLUBE DE DANTE

CHARLES FORT - O LIVRO DOS DANADOS

LE CLÉZIO - A FEBRE

SIMONE DE BEAUVOIR - O SANGUE DOS OUTROS

Popular mês

ARNOLD HAUSER - HISTÓRIA SOCIAL DA ARTE E DA LITERATURA

MATTHEW PEARL - O CLUBE DE DANTE

BRYAN WARD-PERKINS - A QUEDA DE ROMA E O FIM DA CIVILIZAÇÃO

MO HAYDER - A ILHA DOS PORCOS

NASSIM NICHOLAS TALEB - O CISNE NEGRO

SIMONE DE BEAUVOIR - O SANGUE DOS OUTROS

PAUL WATZLAWICK - A REALIDADE É REAL?

GONÇALO M. TAVARES - UMA VIAGEM À ÍNDIA

YUVAL NOAH HARARI - HOMO DEUS

JEAN PAUL SARTRE - COM A MORTE NA ALMA

popular sempre

THOMAS PYNCHON - ARCO-ÍRIS DA GRAVIDADE

A ERA DOS EXTREMOS - ERIC HOBSBAWM

HENRY MILLER - TRÓPICO DE CÂNCER

ROBERTO BOLAÑO - 2666

MARGUERITE DURAS - OLHOS AZUIS, CABELO PRETO

THÉOPHILE GAUTIER - O ROMANCE DA MÚMIA

ARUNDHATI ROY - O DEUS DAS PEQUENAS COISAS

DIETRICH SCHWANITZ - CULTURA tudo o que é preciso saber

NICK COHEN - O QUE RESTA DA ESQUERDA?

ARNOLD HAUSER - HISTÓRIA SOCIAL DA ARTE E DA LITERATURA