Avançar para o conteúdo principal

FILIPE RIBEIRO DE MENESES - SALAZAR UMA BIOGRAFIA POLÍTICA

FILIPE RIBEIRO DE MENESES - SALAZAR UMA BIOGRAFIA POLÍTICA
SALAZAR A POLITICAL BIOGRAPHY

Quais são pois as razões que explicam o desejo de Salazar se manter no poder? Pelo menos até 1961, havia duas razões essenciais subjacentes a esse desejo.
A primeira, e mais importante, era uma crença em si próprio como agente providencial; a segunda era a percepção de que, sem ele no centro, o regime, assente numa aliança tecida de um delicado equilíbrio entre forças conservadoras, desabaria.
A partir de 1961 e do início da guerra em Angola, surgiu uma terceira motivação: manter intacta a África portuguesa até o Ocidente recuperar o bom senso e começar de novo a defender os seus interesses estratégicos vitais. Salazar orientou-se acima de tudo pela convicção de que se Portugal seguisse outro caminho - o caminho da descolonização e da democracia parlamentar - estaria condenado à extinção.

« Salazar é caso único entre os "grandes ditadores" do século XX na medida em que o seu protagonismo público decorreu do seu mérito académico. Que esse mérito tenha tido a oportunidade de se manifestar é o resultado de uma série de escolhas feitas no seu interesse por uma família empreendedora e sensata, que soube aproveitar todas as oportunidades à sua disposição para que Salazar prosseguisse os seus estudos.»  

publicações D.Quixote - 3ª edição outubro de 2010


Comentários

Popular semana

NASSIM NICHOLAS TALEB - O CISNE NEGRO

MATTHEW PEARL - O CLUBE DE DANTE

CHARLES FORT - O LIVRO DOS DANADOS

LE CLÉZIO - A FEBRE

SIMONE DE BEAUVOIR - O SANGUE DOS OUTROS

Popular mês

ARNOLD HAUSER - HISTÓRIA SOCIAL DA ARTE E DA LITERATURA

MATTHEW PEARL - O CLUBE DE DANTE

BRYAN WARD-PERKINS - A QUEDA DE ROMA E O FIM DA CIVILIZAÇÃO

MO HAYDER - A ILHA DOS PORCOS

NASSIM NICHOLAS TALEB - O CISNE NEGRO

SIMONE DE BEAUVOIR - O SANGUE DOS OUTROS

PAUL WATZLAWICK - A REALIDADE É REAL?

GONÇALO M. TAVARES - UMA VIAGEM À ÍNDIA

YUVAL NOAH HARARI - HOMO DEUS

JEAN PAUL SARTRE - COM A MORTE NA ALMA

popular sempre

THOMAS PYNCHON - ARCO-ÍRIS DA GRAVIDADE

A ERA DOS EXTREMOS - ERIC HOBSBAWM

HENRY MILLER - TRÓPICO DE CÂNCER

ROBERTO BOLAÑO - 2666

MARGUERITE DURAS - OLHOS AZUIS, CABELO PRETO

THÉOPHILE GAUTIER - O ROMANCE DA MÚMIA

ARUNDHATI ROY - O DEUS DAS PEQUENAS COISAS

DIETRICH SCHWANITZ - CULTURA tudo o que é preciso saber

NICK COHEN - O QUE RESTA DA ESQUERDA?

ARNOLD HAUSER - HISTÓRIA SOCIAL DA ARTE E DA LITERATURA