Avançar para o conteúdo principal

ALBERTO MORAVIA - OS INDIFERENTES

ALBERTO MORAVIA - OS INDIFERENTES
GLI INDIFFERENTI

Quando foi publicada, em 1929, a obra Os Indiferentes pareceu sancionar sem meios termos o renascer do romance realista em Itália. Extraordinária estreia de um dos mais prolíficos escritores do sec.XX, o livro revestiu-se, na realidade, de uma importância muito superior à de ter inaugurado e marcado uma tendência: com efeito, a sua prosa apresenta-se, de imediato, não só como radicalmente alheia à inveterada tradição italiana da "bella pagina" e da "prosa d'arte", como também profundamente intolerante a qualquer forma de efusão lírica ou de complacência intimista.
Circunscrita a quarenta e oito horas e articulada em secos fragmentos, com um ritmo batente e um serrado diálogo de clara índole dramatúrgica, a história consegue representar nos comportamentos de cinco personagens, e nas relações que entre eles se estabelecem, os mecanismos de prepotência e de falsa consciência, por um lado, de abulia e de mortífera insatisfação, por outro, que caracterizavam os rituais sociais e o conteúdo "antropológico" da média burguesia urbana durante o regime fascista: a classe a que Moravia pertencia e que todavia considerava totalmente incapaz de «inspirar, já não digo, admiração mas nem mesmo a mais remota simpatia».
Inaptos para a tragédia devido à sua demasiada superficialidade, incapazes e indolentes, e terrivelmente desajeitados, cada vez que tentam agir, Michele e Carla, tal como Mariagrazia e Lisa, são definitivamente desditosas folhas ao vento, totalmente no poder do "homem forte", aquele Leo Merumeci que é o autêntico herói negativo do romance, mas que das suas características inferiores consegue fazer brotar uma fonte quase inesgotável de vitalidade e de energia.
É a condenação sem recurso de todo um mundo e de toda uma história, um romance amargo e simultaneamente redentor, que do fundo de uma catástrofe incapaz de explodir consegue recuperar o sentido pleno de uma sofrida e imaculada identidade moral.

público - abril 2003 

                 

Comentários

Popular semana

LEV GROSSMAN - O CÓDICE SECRETO

PAUL WATZLAWICK - A REALIDADE É REAL?

ARNOLD HAUSER - HISTÓRIA SOCIAL DA ARTE E DA LITERATURA

VIRGINIA WOOLF - AS ONDAS

SIMONE DE BEAUVOIR - O SANGUE DOS OUTROS

Popular mês

SIMONE DE BEAUVOIR - O SANGUE DOS OUTROS

ROGER SCRUTON - GUIA DE FILOSOFIA PARA PESSOAS INTELIGENTES

LEV GROSSMAN - O CÓDICE SECRETO

PAUL WATZLAWICK - A REALIDADE É REAL?

ARNOLD HAUSER - HISTÓRIA SOCIAL DA ARTE E DA LITERATURA

MO HAYDER - A ILHA DOS PORCOS

THOMAS PYNCHON - ARCO-ÍRIS DA GRAVIDADE

NASSIM NICHOLAS TALEB - O CISNE NEGRO

ALFREDO MELA - A SOCIOLOGIA DAS CIDADES

MATTHEW PEARL - O CLUBE DE DANTE

popular sempre

THOMAS PYNCHON - ARCO-ÍRIS DA GRAVIDADE

A ERA DOS EXTREMOS - ERIC HOBSBAWM

MARGUERITE DURAS - OLHOS AZUIS, CABELO PRETO

HENRY MILLER - TRÓPICO DE CÂNCER

ROBERTO BOLAÑO - 2666

THÉOPHILE GAUTIER - O ROMANCE DA MÚMIA

ARUNDHATI ROY - O DEUS DAS PEQUENAS COISAS

DIETRICH SCHWANITZ - CULTURA tudo o que é preciso saber

NICK COHEN - O QUE RESTA DA ESQUERDA?

ARNOLD HAUSER - HISTÓRIA SOCIAL DA ARTE E DA LITERATURA