Avançar para o conteúdo principal

EDITH WHARTON - A IDADE DA INOCÊNCIA

EDITH WHARTON - A IDADE DA INOCÊNCIA
THE AGE OF INNOCENCE

Em A Idade da Inocência, que decorre em 1870, Wharton parece recriar o ambiente da sua infância. Perfeitamente documentado e despojado do espírito satírico de outras obras da autora, o romance reflecte o lento desmoronamento de um mundo, cujos pilares começavam a ser vencidos pelos novos tempos.
Como personificação deste conflito, encontramos Newland Archer, que se debate entre o fascínio pela condessa Olenska, uma mulher divorciada que chega da Europa para perturbar a espartilhada sociedade de Nova Iorque, e o seu compromisso com a jovem May Welland.
O pessimismo paira sobre o romance e, como todos os heróis de Wharton, as personagens de A Idade da Inocência parecem condenadas a uma "morte em vida", representada pelas convenções sociais.     


" Uma coisa ele sabia que tinha perdido: a flor da vida. Mas pensava nela como uma coisa tão inatingível e improvável que lamentar-se seria como desesperar porque não se ganhou o primeiro prémio na lotaria. Havia cem milhões de bilhetes na sua lotaria e só um prémio. As chances foram todas definitivamente contra ele." 


público - março de 2003

Comentários

Popular semana

ARNOLD HAUSER - HISTÓRIA SOCIAL DA ARTE E DA LITERATURA

JOSÉ CARDOSO PIRES - HISTÓRIAS DE AMOR

ROGER SCRUTON - GUIA DE FILOSOFIA PARA PESSOAS INTELIGENTES

JEAN PAUL SARTRE - COM A MORTE NA ALMA

NIALL FERGUSON - A LÓGICA DO DINHEIRO

Popular mês

MIKHAIL BULGAKOV - MARGARITA E O MESTRE

BEN GOLDACRE - CIÊNCIA DA TRETA

ARNOLD HAUSER - HISTÓRIA SOCIAL DA ARTE E DA LITERATURA

JOSÉ CARDOSO PIRES - HISTÓRIAS DE AMOR

SIMONE DE BEAUVOIR - O SANGUE DOS OUTROS

ROGER SCRUTON - GUIA DE FILOSOFIA PARA PESSOAS INTELIGENTES

LEV GROSSMAN - O CÓDICE SECRETO

FRANZ KAFKA - CONTOS

PAUL WATZLAWICK - A REALIDADE É REAL?

BRYAN WARD-PERKINS - A QUEDA DE ROMA E O FIM DA CIVILIZAÇÃO

popular sempre

THOMAS PYNCHON - ARCO-ÍRIS DA GRAVIDADE

A ERA DOS EXTREMOS - ERIC HOBSBAWM

HENRY MILLER - TRÓPICO DE CÂNCER

MARGUERITE DURAS - OLHOS AZUIS, CABELO PRETO

ROBERTO BOLAÑO - 2666

ARNOLD HAUSER - HISTÓRIA SOCIAL DA ARTE E DA LITERATURA

THÉOPHILE GAUTIER - O ROMANCE DA MÚMIA

ARUNDHATI ROY - O DEUS DAS PEQUENAS COISAS

DIETRICH SCHWANITZ - CULTURA tudo o que é preciso saber

SIMONE DE BEAUVOIR - O SANGUE DOS OUTROS