ANDRÉ SCHWARZ-BART - O ÚLTIMO JUSTO

ANDRÉ SCHWARZ-BART - O ÚLTIMO JUSTO
LE DERNIER DES JUSTES

A publicação do romance O Último Justo deu lugar à atribuição do Prémio Goncourt, o mais alto e disputado galardão literário da França, a um jovem de trinta e um anos, de família judaica, de formação operária, que antes de ter sido estudante na Soubonne fora ajustador.
André Schwarz-Bart nasceu em Metz, em 1928.
Entrou na Resistência e em 1943 foi preso. 
Evadiu-se e integrou-se num maquis.
Alistou-se depois no exército e participou na campanha de 1944-45.
Pertence a uma família judaica de origem polaca, o que explica a vocação profunda, a angústia dilacerante, a dramática perplexidade que o romance O Último Justo se nos patenteia.
Livro estranho - entre a crónica e a epopeia; livro perturbador - entre a ficção e o panfleto, livro gritante de revolta e pleno de um sentimento íntimo e invencível de religiosidade.  

publicações europa-américa - abril de 1961  


FRANZ KAFKA - METAMORFOSE

FRANZ KAFKA - METAMORFOSE
METAMORFHOSE

"Quando Gregor Samsa despertou, certa manhã, de um sonho agitado viu que se transformara, durante o sono, numa espécie monstruosa de insecto."

É desta forma que se introduz a história de Gregor Samsa, um incansável caixeiro-viajante que sustenta os pais e a irmã, que se entregam à ociosidade.

Nesta obra, o tema central é a condição humana oprimida e alienada pela sociedade moderna.    

livros do brasil - dezembro de 2004


JEAN PAUL SARTRE - COM A MORTE NA ALMA

JEAN PAUL SARTRE - COM A MORTE NA ALMA
LA MORT DANS L'AME


Estreitamente ligado aos problemas do seu tempo, actuando e participando, Jean Paul Sartre reflecte em toda a sua obra a preocupação básica do existencialismo: ter que optar em todas as situações em que a sociedade, a política, a família ou os hábitos adquiridos colocam o homem face a uma multiplicidade de caminhos possíveis. A liberdade dessa opção coloca o individuo face a uma responsabilidade angustiante: livre de escolher a responsabilidade dessa escolha, as suas consequências, recaem inteiramente sobre ele.
Em Com  a Morte na Alma, terceiro e último volume da série «Os Caminhos da Liberdade», a ameaça formulada em Pena Suspensa concretiza-se.
A guerra, com toda a sua violência, irrompe inexoravelmente em cada homem a comprometer, por vezes num último acto definitivo, a liberdade e a vida.

livraria bertrand - agosto de 1983              


Sobre o Autor:

Jean-Paul Sartre
21 de junho de 1905 – 15 de abril de 1980
Filósofo, dramaturgo e romancista francês que popularizou o
existencialismo. Ele definiu o papel do intelectual público do
século XX.


Talvez o mais conhecido filósofo dos tempos modernos, Jean-Paul Sartre definiu o papel do intelectual público activo politicamente de um modo particularmente francês.
Numa cultura que atribui grande valor às suas instituições educacionais e às suas qualificações, Sartre nunca se tornou professor universitário. Embora tenha ficado em primeiro lugar no teste para
a agrégation de filosofia da École Normale Supérieure, em 1927, a sua carreira académica, depois disso, distribuiu-se entre diversos liceus, onde ele deu aulas por vários anos. A sua posição como pensador teve como base apenas os seus trabalhos publicados – dos quais o mais importante foi O ser e o nada (1943) - 


PATRICK MODIANO - DORA BRUDER

PATRICK MODIANO - DORA BRUDER

Anos atrás, o narrador (o autor) deparou-se com um anúncio publicado no Paris-Soir de 31 de Dezembro de 1941: "procura-se uma rapariga de 15 anos. Dora Bruder...". Quem era Dora Bruder?
Desde esse dia, o destino da jovem judia enredada nas malhas da ocupação alemã nunca mais o largou, obcecado como estava em reconstruir a sua história até aos momentos finais no campo de Auschwitz.

Este livros é assim um combate contra o esquecimento, uma afirmação portentosa dos caminhos redentores da memória - contra tudo aquilo que nos macula e destrói.    

asa editores - dezembro de 2000


VASCO PULIDO VALENTE - GLÓRIA

VASCO PULIDO VALENTE - GLÓRIA


« Vieira de Castro não queria perder a vida num remoto canto da província. Queria conquistar Lisboa e o país. E, sobretudo, que o amassem e o admirassem. Queria glória ».

É a partir da biografia deste homem, José Cardoso Vieira de Castro, que, na segunda metade do século XIX foi « um dirigente académico com alguma importância; um jornalista menor; um escritor sem talento; um político sem poder; um criminoso e um degredado » - que Vasco Pulido Valente constrói uma obra que ele próprio classifica como um livro de história:
« Não é um livro de história a fingir de romance, nem um romance documental.», mas história em que as pessoas não se iludem. Glória é um livro sobre a ambição, a paixão, o poder, o dinheiro e o crime.  
    

gótica - novembro de 2001


DAN BROWN - O CÓDIGO DA VINCI

DAN BROWN - O CÓDIGO DA VINCI
THE DA VINCI CODE

Robert Langdon, conceituado simbologista de Harvard, está em Paris para fazer uma palestra quando recebe uma notícia inesperada: o velho curador do Louvre foi encontrado morto no museu, e um código indecifrável encontrado junto do cadáver. Na tentativa de decifrar o estranho código, Langdon e uma dotada criptologista francesa, Sophie Neveu, descobrem, estupefactos, uma série de pistas inscritas nas obras de Leonardo Da Vinci, que o pintor engenhosamente disfarçou.

Tudo se complica quando Langdon descobre uma surpreendente ligação: o falecido curador estava envolvido com o Priorado de Sião, uma sociedade secreta a que tinham pertencido Sir Isaac Newton, Botticelli, Vitor Hugo e Da Vinci, entre outros.


bertrand editora - 2004  


PEDRO BANOS - OS DONOS DO MUNDO