Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Fevereiro, 2016

KEN FOLLETT - O HOMEM DE SAMPETERSBURGO

KEN FOLLETT - O HOMEM DE SAMPETERSBURGO
THE MAN FROM ST. PETERSBURG

1914: a Alemanha prepara-se para a guerra e os aliados constroem as suas defesas. Ambos os lados precisam da Rússia, que se debate com problemas internos graves e vive na iminência de uma Revolução. Em Inglaterra, o duque de Walden e Winston Churchill planeiam, em total segredo, uma aliança com a Rússia. Contudo, um homem disposto a tudo e sem nada a perder infiltra-se no país com a intensão de travar a todo o custo o acordo entre russos e britânicos. Conseguirá O HOMEM DE SAMPETERSBURGO  deixar o país a seus pés e inverter o curso da História?
bertrand editora - março de 2010  



LE CLÉZIO - A FEBRE

LE CLÉZIO - A FEBRE
LA FIÈVRE

« Estas nove histórias de pequena loucura são ficcionais; e no entanto não foram inventadas. O seu tema foi tirado de uma experiência familiar. Todos os dias, perdemos a cabeça por causa de um pouco de temperatura, de uma dor de dentes, de uma tontura passageira. Enervamo-nos. Experimentamos prazer. Embriagamo-nos. Nada disso dura muito tempo, mas é o bastante. A nossa pele, os nossos olhos, os ouvidos e os narizes acumulam todos os dias milhões de sensações, que nunca mais se esquecem. Somos verdadeiros vulcões.»  
A febre O dia em que Beaumont travou conhecimento com a sua dor Parece-me que o barco se dirige para a ilha Atrás O homem que anda Martin O mundo está vivo Então poderei encontrar a paz e o sono Um dia de velhice
editora ulisseia - novembro 2008


JOSÉ SARAMAGO - O HOMEM DUPLICADO

JOSÉ SARAMAGO - O HOMEM DUPLICADO

Tertuliano Máximo Afonso, professor de História no ensino secundário, «vive só e aborrece-se», «esteve casado e não se lembra do que o levou ao matrimónio, divorciou-se e agora não quer nem lembrar-se dos motivos por que se separou», à cadeira de História « vê-a ele desde há muito tempo como uma fadiga sem sentido e um começo sem fim». Uma noite, em casa, ao rever um filme na televisão, «levantou-se da cadeira, ajoelhou-se diante do televisor, a cara tão perto do ecrã quanto lhe permitia a visão, sou eu, disse, e outra vez sentiu que se lhe eriçavam os pelos do corpo». Depois desta inesperada descoberta, de um homem exatamente igual a si, Tertuliano, o que vive só e se aborrece, parte à descoberta desse outro homem.
Uma história que se lê de um fôlego e na qual Saramago se revela mestre do suspense. Romance que nos faz lembrar um thriller onde o autor aborda questões ligadas à identidade ou à falta dela.

editorial caminho - outubro de 2002
O caos é uma ord…

ERNEST HEMINGWAY - O JARDIM DO ÉDEN

ERNEST HEMINGWAY - O JARDIM DO ÉDEN
THE GARDEN OF EDEN

O Jardim do Éden desenrola-se em torno de um trio amoroso e passa-se no Sul de França nos anos 20. David e Catherine passam uma temporada dourada na Côte d'Azur, onde conhecem Marita, rica e atraente mulher da qual ambos acabam por se enamorar. A trama baseia-se na vida real, como muitas outras de Hemingway. O escritor e a sua primeira mulher, Hadley, compartilharam umas férias de verão com a jornalista Pauline Pfeiffer; daqui resultou um complicado romance que culminou na separação de Hemingway e Hadley e no casamento do escritor com jornalista. Daqui nasceu também a semente desta fascinante história.
"A caminho daqui vi coisas maravilhosas para pintar, mas nunca soube pintar. Sei de coisas maravilhosas para escrever e nem sequer consigo escrever uma carta que não seja estúpida. Nunca quis ser pintora nem escritora até chegar a este país. Agora, é como estar-se sempre esfomeado e não haver maneira de o remediar". 
ediç…

ROBIN COOK - CONVULSÃO

ROBIN COOK - CONVULSÃO
SEIZURE

O Senador Ashley Butler é um demagogo sulista, apoiante dos valores tradicionais americanos e contra qualquer inovação no campo da biotecnologia. O Dr. Daniel Lowell é um investigador que estuda uma nova técnica de clonagem que no futuro poderá salvar a vida a milhões de seres humanos. Mas Butler necessita da ajuda de Lowell para travar a progressão da doença de Parkinson. E, quando estas duas personagens entram em rota de colisão, nem mesmo uma Convulsão os poderá separar.

Convulsão é um romance de aviso sobre uma época em que a política choca com a ciência e o conservadorismo com as novas tecnologias e onde somos arrastados para um mundo promissor mas, no entanto, assustador.
publicações europa-america - novembro de 2003

Mensagens populares deste blogue

ARNOLD HAUSER - HISTÓRIA SOCIAL DA ARTE E DA LITERATURA

"Uma obra marcante, cuja riqueza quantitativa e qualitativa pode ser apenas sugerida em uma resenha. O contexto temporal é extraordinariamente amplo... O valor da obra consiste principalmente no fato de que Hauser, fundamentando em um conhecimento preciso de fontes e literatura especializada, reúne resultados excepcionalmente claros da sociologia da arte, da música e da literatura. Com isso, ao lado de uma riqueza de investigação sociológica não específica, são avaliadas as importantes escolas da sociologia burguesa europeia e americana, de Taine, Max Weber, Dilthey, Troeltseh, Simmel, Sombart, Veblen até Karl Mannheim, Levin Schueking e outros críticos. Hauser, além desses pesquisadores burgueses, examina também Marx, Engels, Mehring, Kautsky, Lenin e Georg Lukács e une as descobertas destes às suas próprias observações, dando mostras, assim, de sua imparcialidade. ... Deve-se desejar que sociólogos, assim como historiadores de todas as tendências, estudem cuidadosamente este livr…

SIMONE DE BEAUVOIR - O SANGUE DOS OUTROS

" Contar as vidas humanas, comparar o peso de uma lágrima com o peso de uma gota de sangue, era uma tarefa impossível, mas ele já não tinha que fazer contas, e toda a moeda era boa, mesmo essa: o sangue dos outros. O preço nunca seria caro de mais."
Com a Segunda Guerra Mundial como pano de fundo, O Sangue dos Outros narra-nos a história de amor entre Hélène e Jean. No entanto, a frase de Dostoievski que inuagura o romance, "Todos somos responsáveis por tudo perante todos", já nos anuncia aquele que será o eixo temático da narração: a responsabilidade do indivíduo na sociedade em que vive, as implicações do compromisso ideológico, o preço a pagar pela liberdade, o papel dos líderes políticos... Todas estas linhas temáticas têm como pano de fundo as questões filosóficas colocadas pelo movimento existencialista, do qual Simone de Beauvoir, com Jean-Paul Sartre e Albert Camus, foi uma das impulsionadoras. Embora este romance, assim como outros da autora, suporte uma carg…

PAUL WATZLAWICK - A REALIDADE É REAL?

HOW REAL IS REAL?

A confusão que existe entre comunicação e realidade é relativamente nova. As diferentes visões do mundo que resultam da comunicação, apenas se tornaram uma área independente de investigação em décadas recentes. Um dos autores que nela tem trabalhado é Paul Watzlawick que neste livro apresenta, numa série de exemplos desconcertantes, algumas das suas descobertas.

relógio d'agua 

Ligações :
https://pt.wikipedia.org/wiki/Paul_Watzlawick
http://www.wanterfall.com/Communication-Watzlawick's-Axioms.htm

FRANZ KAFKA - CONTOS

FRANZ KAFKA - CONTOS

Prólogo e selecção de Jorge Luis Borges
Contos - O abutre - Um artista da fome - Primeira mágoa - Um cruzamento - O escudo da cidade - Prometeu - Um incidente trivial - Chacais e árabes - Onze filhos - Relação para uma Academia - A construção da muralha da China

Do Prólogo de Jorge Luis Borges
« A elaboração, em Kafka, é menos admirável que a invocação. Homens, há apenas um na sua obra: o homo domesticus - bem judeu e bem alemão -, sequioso de um lugar, mesmo que o mais humilde, numa qualquer Ordem; num universo, num ministério, num asilo de loucos, na prisão. O argumento e o ambiente são o essencial; não as evoluções da fábula nem a penetração psicológica. Daí a primazia dos seus contos sobre os seus romances; daí o direito a afirmar que esta antologia de contos nos dá integralmente a medida de tão singular escritor.»     

relógio d'água editores - dezembro de 2005

SINCLAIR LEWIS - BABBITT

SINCLAIR LEWIS - BABBITT

O romance que definiu a vida urbana das sociedades modernas tal como a América a exportou para o mundo. Na altura da sua publilcação, «Babbitt» foi considerado um romance atroz, sem enredo, em que o autor se especializava em criar personagens desagradáveis. Na realidade, o prémio Nobel Sinclair Lewis antecipava o desligamento social da vida nas grandes cidades, a perda de valores, a incapacidade da comunicação, o viver para a imagem e não para a essência.
A vida de George F. Babbitt (apelido que passou a fazer parte do vocabulário dicionarizado do inglês norte-americano) é traçada em pequenos quadros, episódios e anedotas que formam um todo coerente na sua incoerência: dois anos de uma vida. Babbitt é o vendedor imobiliário cuja grande preocupação, «deixar uma boa impressão», é o lema da sua vida. Babbitt não é fiel aos seus valores e ideais, é sim fiel aos dos que o rodeiam.
e-primatur - 1ª edição, fevereiro de 2018 
http://www.e-primatur.com/home

Sobre o Autor:
Sinc…