Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Dezembro, 2015

NIALL FERGUSON - A LÓGICA DO DINHEIRO

NIALL FERGUSON - A LÓGICA DO DINHEIRO
THE CASH NEXUS

A LÓGICA DO DINHEIRO - PODER E DINHEIRO NO MUNDO MODERNO (1700-2000)

Dinheiro: a raiz de todo o mal, ou aquilo que faz o mundo girar?

A história moderna mostra que o sucesso de uma nação depende em grande parte da forma como gere o seu dinheiro. Em tempos de guerra, as finanças têm sido tão cruciais para a vitória como o poder de fogo. Mas onde convergem o dinheiro e a política?

Esta obra está dividida em quatro partes:
- Despesas e tributação
- Promessas de pagamento
- Política económica
- Poder Global

« Uma análise histórica rigorosa da interação entre o dinheiro e o poder durante os últimos 300 anos.»
John Gray, New Statesman

Circulo de Leitores - 1ª edição, fevereiro de 2015




MARTIN AMIS - KOBA O TERRÍVEL

MARTIN AMIS - KOBA O TERRÍVEL - O riso e os vinte milhões
KOBA THE DREAD

Trata-se de uma obra extremamente política, embora com uma visão muito pessoal. Amis procura aqui entender uma das lacunas centrais do pensamento do século xx: a indulgência demonstrada pelos intelectuais ocidentais perante o fenómeno do comunismo real. Entre o início e o fim do livro, muito pessoais, o autor dá-nos uma centena de páginas que são provavelmente as melhores jamais escritas sobre Stalin: Koba o Terrível, Iosif o Terrível.
Stalin dizia que a morte de uma pessoa era trágica, mas a morte de um milhão não passava de mera «estatística», Koba o Terrível, ao longo de cuja escrita o autor teve que enfrentar uma morte familiar, é a refutação cabal desse aforismo de Stalin. 
editorial teorema - agosto de 2003   


JOSÉ SARAMAGO - A VIAGEM DO ELEFANTE

JOSÉ SARAMAGO - A VIAGEM DO ELEFANTE

Existiu, no século XVI, um paquiderme indiano que caminhou de Lisboa a Viena, ao qual José Saramago chamou Salomão e cuja história contou neste livro, esta viagem, é uma metáfora da vida humana.

O livro narra uma viagem de um elefante que estava em Lisboa, e que tinha vindo da Índia, um elefante asiático que foi oferecido pelo rei D.João III ao arquiduque da Áustria Maximiliano II. Passa-se tudo entre o ano de 1550 e 1552, é essa caminhada do Salomão entre Lisboa e Viena, que é aqui contada.  
editorial caminho - outubro de 2008.

PAUL AUSTER - A TRILOGIA DE NOVA IORQUE

PAUL AUSTER - A TRILOGIA DE NOVA IORQUE
THE NEW YORK TRILOGY

asa editores - setembro 2002

A Trilogia de Nova Iorque continua a ser, tantos anos depois, o livro mais emblemático de Paul Auster. São três fascinantes histórias de mistério, centradas no submundo da grande cidade norte-americana, em que o leitor, tal como os personagens, se torna prisioneiro dos irresistíveis enredos, dos puzzles alucinantes, em que o autor é mestre incontestado. Cidade de Vidro, Fantasmas e O Quarto Fechado à Chave constituem os três andamentos de uma sinfonia única, em que Paul Auster comprova à saciedade por que razão é hoje considerado um dos grandes nomes da literatura de língua inglesa.

H.G.WELLS - A ILHA DO DOUTOR MOREAU

H.G.WELLS - A ILHA DO DOUTOR MOREAU
THE ISLAND OF DOCTOR MOREAU

O Náufrago, Edward Prendick, um cientista britânico, é resgatado por um barco que ia em direção à Ilha do Dr. Moreau.
Depois de uma luta com o capitão do barco, Edward Prendick é forçado a penetrar na ilha, onde a curiosidade o leva a procurar a verdade sobre as estranhas experiências do Dr. Moreau e do seu assistente Montgomery, na tentativa de transformar animais em seres humanos.
Esta aterrorizante obra de ficção científica de H. G. Wells explora temas como a crueldade, moralidade e o abuso da natureza pelo Homem, uma vez que a ilha do Dr. Moreau nos transporta ao abismo da natureza humana.
O que nos faz seres humanos?
O que, exatamente separa o Homem do animal?
O leitor deverá identificar-se mais com as feras do que com Moreau e Montgomery, uma vez que estes não possuem consciência. Além disso, ficará indeciso se as feras são mais humanas do que os personagens “humanos”.

círculo de leitores - setembro 1988


CHARLES BUKOWSKI - MULHERES

CHARLES BUKOWSKI  MULHERES
WOMEN

Em Mulheres, um dos romances mais aclamados de Bukowski, o "velho indecente" Henry Chinaski (alter ego do autor usado em vários dos seus romances) tem, aos cinquenta anos, uma reputação literária crescente que lhe proporciona dinheiro e mulheres, muitas mulheres que o abordam permanentemente, em qualquer lugar, e às quais Chinaski nunca pode dizer que não, depois de tantos anos de abstinência involuntária. Esta maratona sexual converte-se num processo de aprendizagem e de conhecimento de si próprio, narrado com uma autocrítica sarcástica e no qual o álcool tem um papel primordial, já que é o que necessita para continuar a viver e o que, simultaneamente, o destrói. No entanto, Bukowski acha que a alternativa, uma vida decente e respeitável, ainda é mais desumanizada.
Mulheres parece ser um romance de sexo e de álcool, mas na realidade é um poema sobre o amor e a dor.  

colecção mil folhas - público, fevereiro 2003

OLIVIER ROLIN - O MEU CHAPÉU CINZENTO

OLIVIER ROLIN - O MEU CHAPÉU CINZENTO

edições asa - 2ª edição fevereiro 2001


O Meu Chapéu Cinzento, de Olivier Rolin, transporta-nos de Carafy e Durrell à Lisboa de Fernando Pessoa, à Atenas de Melina Mercouri, à Goa de Tabucchi, aos Açores de Antero e dos pescadores de baleias... Recusando embora a classificação de escritor de viagens, Rolin demonstra aqui, porém, a velha e frutuosa ligação que a viagem e a literatura estabeleceram desde que Homero fez Ulisses voltar a Itaca... 
A presente edição de O Meu Chapéu Cinzento - título inspirado num verso de Blaise Cendraus - reproduz nove das viagens da edição original francesa, seleccionados pelo autor e pelo editor português. Como diz Olivier Rolin, a coerência que podemos esperar deste conjunto de relatos é a que resulta do facto de "em cada uma das escalas desta peregrinação nos termos esforçado por exigir alguma exactidão das palavras, de modo a que elas constituíssem como que os fragmentos de uma geografia, isto é, de uma escrita e…

Mensagens populares deste blogue

ARNOLD HAUSER - HISTÓRIA SOCIAL DA ARTE E DA LITERATURA

"Uma obra marcante, cuja riqueza quantitativa e qualitativa pode ser apenas sugerida em uma resenha. O contexto temporal é extraordinariamente amplo... O valor da obra consiste principalmente no fato de que Hauser, fundamentando em um conhecimento preciso de fontes e literatura especializada, reúne resultados excepcionalmente claros da sociologia da arte, da música e da literatura. Com isso, ao lado de uma riqueza de investigação sociológica não específica, são avaliadas as importantes escolas da sociologia burguesa europeia e americana, de Taine, Max Weber, Dilthey, Troeltseh, Simmel, Sombart, Veblen até Karl Mannheim, Levin Schueking e outros críticos. Hauser, além desses pesquisadores burgueses, examina também Marx, Engels, Mehring, Kautsky, Lenin e Georg Lukács e une as descobertas destes às suas próprias observações, dando mostras, assim, de sua imparcialidade. ... Deve-se desejar que sociólogos, assim como historiadores de todas as tendências, estudem cuidadosamente este livr…

SIMONE DE BEAUVOIR - O SANGUE DOS OUTROS

" Contar as vidas humanas, comparar o peso de uma lágrima com o peso de uma gota de sangue, era uma tarefa impossível, mas ele já não tinha que fazer contas, e toda a moeda era boa, mesmo essa: o sangue dos outros. O preço nunca seria caro de mais."
Com a Segunda Guerra Mundial como pano de fundo, O Sangue dos Outros narra-nos a história de amor entre Hélène e Jean. No entanto, a frase de Dostoievski que inuagura o romance, "Todos somos responsáveis por tudo perante todos", já nos anuncia aquele que será o eixo temático da narração: a responsabilidade do indivíduo na sociedade em que vive, as implicações do compromisso ideológico, o preço a pagar pela liberdade, o papel dos líderes políticos... Todas estas linhas temáticas têm como pano de fundo as questões filosóficas colocadas pelo movimento existencialista, do qual Simone de Beauvoir, com Jean-Paul Sartre e Albert Camus, foi uma das impulsionadoras. Embora este romance, assim como outros da autora, suporte uma carg…

PAUL WATZLAWICK - A REALIDADE É REAL?

HOW REAL IS REAL?

A confusão que existe entre comunicação e realidade é relativamente nova. As diferentes visões do mundo que resultam da comunicação, apenas se tornaram uma área independente de investigação em décadas recentes. Um dos autores que nela tem trabalhado é Paul Watzlawick que neste livro apresenta, numa série de exemplos desconcertantes, algumas das suas descobertas.

relógio d'agua 

Ligações :
https://pt.wikipedia.org/wiki/Paul_Watzlawick
http://www.wanterfall.com/Communication-Watzlawick's-Axioms.htm

FRANZ KAFKA - CONTOS

FRANZ KAFKA - CONTOS

Prólogo e selecção de Jorge Luis Borges
Contos - O abutre - Um artista da fome - Primeira mágoa - Um cruzamento - O escudo da cidade - Prometeu - Um incidente trivial - Chacais e árabes - Onze filhos - Relação para uma Academia - A construção da muralha da China

Do Prólogo de Jorge Luis Borges
« A elaboração, em Kafka, é menos admirável que a invocação. Homens, há apenas um na sua obra: o homo domesticus - bem judeu e bem alemão -, sequioso de um lugar, mesmo que o mais humilde, numa qualquer Ordem; num universo, num ministério, num asilo de loucos, na prisão. O argumento e o ambiente são o essencial; não as evoluções da fábula nem a penetração psicológica. Daí a primazia dos seus contos sobre os seus romances; daí o direito a afirmar que esta antologia de contos nos dá integralmente a medida de tão singular escritor.»     

relógio d'água editores - dezembro de 2005

SINCLAIR LEWIS - BABBITT

SINCLAIR LEWIS - BABBITT

O romance que definiu a vida urbana das sociedades modernas tal como a América a exportou para o mundo. Na altura da sua publilcação, «Babbitt» foi considerado um romance atroz, sem enredo, em que o autor se especializava em criar personagens desagradáveis. Na realidade, o prémio Nobel Sinclair Lewis antecipava o desligamento social da vida nas grandes cidades, a perda de valores, a incapacidade da comunicação, o viver para a imagem e não para a essência.
A vida de George F. Babbitt (apelido que passou a fazer parte do vocabulário dicionarizado do inglês norte-americano) é traçada em pequenos quadros, episódios e anedotas que formam um todo coerente na sua incoerência: dois anos de uma vida. Babbitt é o vendedor imobiliário cuja grande preocupação, «deixar uma boa impressão», é o lema da sua vida. Babbitt não é fiel aos seus valores e ideais, é sim fiel aos dos que o rodeiam.
e-primatur - 1ª edição, fevereiro de 2018 
http://www.e-primatur.com/home

Sobre o Autor:
Sinc…