Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Setembro, 2015

MARK T. CONARD e AEON J. SKOBLE - A FILOSOFIA SEGUNDO WOODY ALLEN

Woody Allen and Philosophy

Quantas vezes desejou ter acesso a uma análise mais profunda das reflexões espirituosas de Woody Allen?

Se a sua resposta for "nunca", então está com sorte, porque este livro faz algo completamente diferente. Reúne quinze grandes mentes para ensinar lições filosóficas vitais sugeridas pelas obras de Woody Allen. Ou, se quisermos ser picuinhas, também não é exactamente isso que faz.


De qualquer forma, este livro vai de certeza mudar as suas ideias preconcebidas sobre a vida, o cosmos e a natureza fundamental do mal, ao provar que nunca podemos ter a certeza de nada.


Para ser absolutamente sincero, este é o tipo de livro que tem palavras em todas as páginas. Está bem, há uma ou duas páginas em branco, mas só dissemos que era esse tipo de livro.

estrela polar - janeiro de 2008



DOMINIQUE VENNER - O SÉCULO DE 1914

UTOPIAS, GUERRAS E REVOLUÇÕES NA EUROPA DO SÉCULO XX

Le Siécle de 1914

A I Guerra Mundial foi o acontecimento que marcou o ínicio do século XX. Depois de ter matado nove milhões de pessoas, reduziu a cinzas os três impérios e as aristocracias que dominavam  a Europa. Este conflito deu origem a tudo o que se seguiu: uma violência terrível e uma esperança imensa, o surgimento das utopias revolucionárias e o estabelecimento de novos regimes; mas, sobretudo, deu origem à II Guerra Mundial, ainda mais destrutiva do que a anterior. A Guerra de 1914 provocou o declínio da Europa, a descolonização, a destruição da sociedade europeia, a americanização dos costumes, a imigração e o terrorismo.

Após 1918, sobre os escombros da antiga Europa, quatro figuras - Wilson, Lenine, Mussolini e Hitler - encarnaram as grandes utopias do século XX. Estes homens estão na origem da luta impiedosa de quatro sistemas rivais que ocupou uma grande parte do século e deu origem ao mundo em que vivemos.


Este livro ana…

J.M.COETZEE - O HOMEM LENTO

SLOW MAN

Quando o fotógrafo Paul Rayment perde uma perna num acidente de bicicleta, a sua solitária existência sofre uma mudança irrevogável. Rejeitando teimosamente uma prótese, Paul regressa ao seu apartamento de solteiro em Adelaide desconfortável com a novidade de ter de depender de outros. Torna-se propenso a ataques de desespero ao olhar para o passado, para os seus sessenta anos de vida, mas o seu humor melhora quando dá por si apaixonado por Marijuana, a sua prática enfermeira croata, que se esforça por criar a família numa terra estrangeira. Enquanto Paul pondera na melhor forma de ganhar o seu coração, é visitado pela misteriosa escritora Elizabeth Costello, que o desafia a adoptar um papel activo na sua própria vida.


Neste romance, Coetzee oferece-nos uma profunda meditação sobre o que faz de nós humanos e o que significa envelhecer, reflectindo no modo como vivemos as nossas vidas.

Dom Quixote - 2ªedição julho 2008   



Mensagens populares deste blogue

ARNOLD HAUSER - HISTÓRIA SOCIAL DA ARTE E DA LITERATURA

"Uma obra marcante, cuja riqueza quantitativa e qualitativa pode ser apenas sugerida em uma resenha. O contexto temporal é extraordinariamente amplo... O valor da obra consiste principalmente no fato de que Hauser, fundamentando em um conhecimento preciso de fontes e literatura especializada, reúne resultados excepcionalmente claros da sociologia da arte, da música e da literatura. Com isso, ao lado de uma riqueza de investigação sociológica não específica, são avaliadas as importantes escolas da sociologia burguesa europeia e americana, de Taine, Max Weber, Dilthey, Troeltseh, Simmel, Sombart, Veblen até Karl Mannheim, Levin Schueking e outros críticos. Hauser, além desses pesquisadores burgueses, examina também Marx, Engels, Mehring, Kautsky, Lenin e Georg Lukács e une as descobertas destes às suas próprias observações, dando mostras, assim, de sua imparcialidade. ... Deve-se desejar que sociólogos, assim como historiadores de todas as tendências, estudem cuidadosamente este livr…

SIMONE DE BEAUVOIR - O SANGUE DOS OUTROS

" Contar as vidas humanas, comparar o peso de uma lágrima com o peso de uma gota de sangue, era uma tarefa impossível, mas ele já não tinha que fazer contas, e toda a moeda era boa, mesmo essa: o sangue dos outros. O preço nunca seria caro de mais."
Com a Segunda Guerra Mundial como pano de fundo, O Sangue dos Outros narra-nos a história de amor entre Hélène e Jean. No entanto, a frase de Dostoievski que inuagura o romance, "Todos somos responsáveis por tudo perante todos", já nos anuncia aquele que será o eixo temático da narração: a responsabilidade do indivíduo na sociedade em que vive, as implicações do compromisso ideológico, o preço a pagar pela liberdade, o papel dos líderes políticos... Todas estas linhas temáticas têm como pano de fundo as questões filosóficas colocadas pelo movimento existencialista, do qual Simone de Beauvoir, com Jean-Paul Sartre e Albert Camus, foi uma das impulsionadoras. Embora este romance, assim como outros da autora, suporte uma carg…

PAUL WATZLAWICK - A REALIDADE É REAL?

HOW REAL IS REAL?

A confusão que existe entre comunicação e realidade é relativamente nova. As diferentes visões do mundo que resultam da comunicação, apenas se tornaram uma área independente de investigação em décadas recentes. Um dos autores que nela tem trabalhado é Paul Watzlawick que neste livro apresenta, numa série de exemplos desconcertantes, algumas das suas descobertas.

relógio d'agua 

Ligações :
https://pt.wikipedia.org/wiki/Paul_Watzlawick
http://www.wanterfall.com/Communication-Watzlawick's-Axioms.htm

FRANZ KAFKA - CONTOS

FRANZ KAFKA - CONTOS

Prólogo e selecção de Jorge Luis Borges
Contos - O abutre - Um artista da fome - Primeira mágoa - Um cruzamento - O escudo da cidade - Prometeu - Um incidente trivial - Chacais e árabes - Onze filhos - Relação para uma Academia - A construção da muralha da China

Do Prólogo de Jorge Luis Borges
« A elaboração, em Kafka, é menos admirável que a invocação. Homens, há apenas um na sua obra: o homo domesticus - bem judeu e bem alemão -, sequioso de um lugar, mesmo que o mais humilde, numa qualquer Ordem; num universo, num ministério, num asilo de loucos, na prisão. O argumento e o ambiente são o essencial; não as evoluções da fábula nem a penetração psicológica. Daí a primazia dos seus contos sobre os seus romances; daí o direito a afirmar que esta antologia de contos nos dá integralmente a medida de tão singular escritor.»     

relógio d'água editores - dezembro de 2005

SINCLAIR LEWIS - BABBITT

SINCLAIR LEWIS - BABBITT

O romance que definiu a vida urbana das sociedades modernas tal como a América a exportou para o mundo. Na altura da sua publilcação, «Babbitt» foi considerado um romance atroz, sem enredo, em que o autor se especializava em criar personagens desagradáveis. Na realidade, o prémio Nobel Sinclair Lewis antecipava o desligamento social da vida nas grandes cidades, a perda de valores, a incapacidade da comunicação, o viver para a imagem e não para a essência.
A vida de George F. Babbitt (apelido que passou a fazer parte do vocabulário dicionarizado do inglês norte-americano) é traçada em pequenos quadros, episódios e anedotas que formam um todo coerente na sua incoerência: dois anos de uma vida. Babbitt é o vendedor imobiliário cuja grande preocupação, «deixar uma boa impressão», é o lema da sua vida. Babbitt não é fiel aos seus valores e ideais, é sim fiel aos dos que o rodeiam.
e-primatur - 1ª edição, fevereiro de 2018 
http://www.e-primatur.com/home

Sobre o Autor:
Sinc…