Avançar para o conteúdo principal

UMBERTO ECO - O CEMITÉRIO DE PRAGA

Durante o século XIX, entre Turim, Palermo e Paris, encontramos uma satanista histérica, um abade que morre duas vezes, alguns cadáveres num esgoto parisiense, um garibaldino que se chamava Ippolito Nievo, desaparecido no mar nas proximidades do Stromboli, o falso bordereau de Dreyfus para a embaixada alemã, a disseminação gradual daquela falsificação conhecida como Os Protocolos dos Sábios de Sião (que inspirará a Hitler os campos de extermínio), jesuítas que tramam contra maçons, maçons, carbonários e mazzinianos que estrangulam padres com as suas próprias tripas, um Garibaldi artrítico com as pernas tortas, os planos dos serviços secretos piemonteses, franceses, prussianos e russos, os massacres numa Paris da Comuna em que se comem os ratos, golpes de punhal, horrendas e fétidas reuniões por parte de criminosos que entre os vapores do absinto planeiam explosões e revoltas de rua, barbas falsas, falsos notários, testamentos enganosos, irmandades diabólicas e missas negras. Óptimo material para um romance-folhetim de estilo oitocentista, para mais, ilustrado com os feuilletons daquela época. Há aqui do que contentar o pior dos leitores. Salvo um pormenor. Excepto o protagonista, todos os outros personagens deste romance existiram realmente e fizeram aquilo que fizeram. E até o protagonista faz coisas que foram verdadeiramente feitas, salvo que faz muitas que provavelmente tiveram autores diferentes. Mas quando alguém se movimenta entre serviços secretos, agentes duplos, oficiais traidores e eclesiásticos pecadores, tudo pode acontecer. Até o único personagem inventado desta história ser o mais verdadeiro de todos, e se assemelhar muitíssimo a outros que estão ainda entre nós.



gradiva - 2011.

Comentários

Popular semana

NASSIM NICHOLAS TALEB - O CISNE NEGRO

MATTHEW PEARL - O CLUBE DE DANTE

CHARLES FORT - O LIVRO DOS DANADOS

LE CLÉZIO - A FEBRE

SIMONE DE BEAUVOIR - O SANGUE DOS OUTROS

Popular mês

ARNOLD HAUSER - HISTÓRIA SOCIAL DA ARTE E DA LITERATURA

MATTHEW PEARL - O CLUBE DE DANTE

BRYAN WARD-PERKINS - A QUEDA DE ROMA E O FIM DA CIVILIZAÇÃO

MO HAYDER - A ILHA DOS PORCOS

NASSIM NICHOLAS TALEB - O CISNE NEGRO

SIMONE DE BEAUVOIR - O SANGUE DOS OUTROS

PAUL WATZLAWICK - A REALIDADE É REAL?

GONÇALO M. TAVARES - UMA VIAGEM À ÍNDIA

YUVAL NOAH HARARI - HOMO DEUS

JEAN PAUL SARTRE - COM A MORTE NA ALMA

popular sempre

THOMAS PYNCHON - ARCO-ÍRIS DA GRAVIDADE

A ERA DOS EXTREMOS - ERIC HOBSBAWM

HENRY MILLER - TRÓPICO DE CÂNCER

ROBERTO BOLAÑO - 2666

MARGUERITE DURAS - OLHOS AZUIS, CABELO PRETO

THÉOPHILE GAUTIER - O ROMANCE DA MÚMIA

ARUNDHATI ROY - O DEUS DAS PEQUENAS COISAS

DIETRICH SCHWANITZ - CULTURA tudo o que é preciso saber

NICK COHEN - O QUE RESTA DA ESQUERDA?

ARNOLD HAUSER - HISTÓRIA SOCIAL DA ARTE E DA LITERATURA